Construção

5 ferramentas inovadoras para construção civil e arquitetura que você precisa conhecer

12/1/2021

Da elaboração do projeto à execução no canteiro de obras: a tecnologia está cada dia mais presente no trabalho de engenheiros e arquitetos. Por isso, reunimos aqui 5 ferramentas inovadoras para construção civil e arquitetura que você precisa conhecer. 

Parte das ferramentas selecionadas estão presentes no Imagining Construction’s Digital Future, da consultoria de gestão McKinsey & Company. O estudo foi mencionado pelo profissional Eduardo Aguiar, da Expert System, durante uma matéria do portal Oficina das Palavras sobre as tendências tecnológicas para a construção civil em 2021

Confira 5 ferramentas inovadoras para construção civil e arquitetura:

1. BIM (Building Information Modeling)

Foto: Divulgação/AltoQi

O Building Information Modeling - em português, “Modelo de Informação da Construção” - é um sistema de criação de modelos virtuais das obras. Ele é considerado excelente tanto para profissionais do ramo da construção civil, quanto para os da arquitetura. 

De forma eficiente, o BIM permite que sejam reunidas informações técnicas da edificação em três dimensões (sim, 3D!), do desenho do projeto ao gerenciamento da construção. Isso possibilita que diferentes profissionais contribuam com as etapas da obra, até mesmo adicionando ou editando dados em tempo real. O sistema engloba ferramentas como Revit, Navisworks, Archicad, Altoqi e TQS.

Como benefícios, o BIM permite - da criação à finalização -  projetos mais completos, precisos em suas especificações, documentações, orçamentos e quantitativos. Mas, antes disso, é importante entender que o sistema exige muito mais planejamento e menos execução. 

Um mapeamento da BIM Brasil Maturidade, divulgado em dezembro de 2020 pelo Estadão, revelou que o sistema é prioridade para 70% das empresas ouvidas. Elas pretendem adotar, nos próximos dois anos, essa ferramenta de gestão. 

O estudo também revelou que, das 643 empresas e profissionais autônomos consultados, 38,4% já utilizam o BIM na criação de projetos. Eles estão distribuídos em todas as regiões do país, especialmente no Sul e no Sudeste. 


Uso obrigatório


É importante lembrar que, a partir de janeiro de 2021, o uso do BIM tornou-se obrigatório para obras e serviços de engenharia realizados pelos órgãos e entidades da administração pública federal. A determinação está presente no Decreto nº 10.306, de 2 de abril de 2020.

De acordo com as informações divulgadas pelo Infor Channel, a partir de janeiro de 2024, o BIM também deverá ser utilizado na execução direta ou indireta de projetos e na gestão de obras. 

Já em janeiro de 2028, na terceira fase de implantação do BIM, a tecnologia será obrigatória no gerenciamento e na manutenção do empreendimento após a sua construção. 


2. Drones 


Foto: Divulgação/Multidrones

O uso de drones no ramo da construção civil já é mais que uma realidade. A partir da captação aérea de imagens de diversos ângulos, o equipamento permite que o profissional tenha uma noção muito próxima do real sobre a obra. O resultado disso? Otimização na realização de um projeto! 

De acordo com a Itarc, escola de drone referência na América Latina, o uso do equipamento em obras tem como principais benefícios: mapear a área construída; garantir a segurança, identificando falhas e erros com antecedência; acompanhar o progresso da obra; monitorar os operários em tempo real; facilitar a realização de inspeções e análises estruturais. 

Para além das vantagens na realização de um projeto, o uso de drones também pode ser aplicado à estratégia de marketing e vendas da empresa. Isso porque as filmagens aéreas, que mostram a obra por inteiro, oferecem uma experiência completa ao cliente. Nós abordamos mais sobre esse assunto em “6 motivos para contratar um profissional para filmar a construção”. Já conferiu? 


3. Trena a laser 

Foto: Divulgação/Ferramentas Kennedy

Equipamento importantíssimo para a construção civil, a trena evoluiu com a tecnologia e, agora, permite medições mais precisas com a versão a laser. O modelo atualizado garante, inclusive, economia de tempo.

De acordo com o Blog Conecta FG, da Ferramentas Gerais, a trena a laser oferece vantagens como: precisão e facilidade na medição, agilidade no trabalho, além de praticidade no manuseio e portabilidade. 

O destaque vai para a capacidade de medir longas distâncias, em unidades diferentes e de forma contínua. O equipamento também permite identificar a área e volume, Pitágoras simples e com adição, máximo e mínimo, adição e subtração. 

Dessa forma, quanto maior o poder do laser, melhor será a eficiência da trena. Em uma busca rápida no Google, é possível identificar trenas a laser de diferentes marcas. Os preços variam de R$ 56,90 a R$ 2.592,05.


4. Impressora 3D

Foto: Divulgação

A Impressora 3D é uma ferramenta que cria um objeto físico tridimensional camada por camada, a partir da projeção digital desse mesmo objeto. No ramo da construção civil, permite a impressão de vigas, paredes e pilares através de cartuchos de cimento.

A ferramenta é apontada como uma das tendências tecnológicas para a construção civil em 2021, de acordo com um estudo divulgado pelo portal Oficina das Palavras. Isso porque a Impressora 3D permite liberdade na criação de projetos, que podem ser personalizados e, até mesmo, inovadores.

Exemplo disso é Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, que tornou-se referência mundial em construções com impressão 3D. A  cidade possui o maior prédio já construído com a ferramenta e, até 2030, tem a expectativa de que 25% de todas as construções do local sejam erguidas por meio da impressão 3D. 

No Brasil, o uso da Impressora 3D no ramo da construção civil ainda é pequeno, com aplicação mais voltada à prototipagem de maquetes arquitetônicas e estruturais. Mas isso deve mudar ao longo do tempo. 


5. Bioconcreto 

Foto: Divulgação


Edifícios que fecham suas próprias fechaduras parecem uma realidade tão distante, não é? Mas isso é possível com o bioconcreto, um material inovador criado por pesquisadores da Universidade Técnica de Delft, na Holanda. 

O bioconcreto é formado por uma superbactéria, que é adicionada ao concreto e ativada por meio de água e oxigênio. Dessa forma, se o concreto começa a rachar, as bactérias são ativadas, liberam calcário e a fissura é preenchida.

Contudo, ainda que um material sustentável, o bioconcreto possui um custo muito superior ao concreto comum. Conforme divulgado pelo Blog da Atex, o custo de produção na Europa é quase o dobro do concreto comum - que, em 2019, custava por volta de 80 euros para cada m³. Mas vale conhecer, né? 


E aí, gostou das 5 ferramentas inovadoras para construção civil e arquitetura apresentadas aqui? Nós, da TAKET, esperamos que sim!

Além desta publicação, no Blog da Taket você encontra muitos outros conteúdos sobre marketing digital e empresas de construção civil e arquitetura. Acesse aqui!

Compartilhar:
Carol Fernandes
Jornalista
veja todos os posts do blog